top of page

As 5 principais métricas que você deve acompanhar no seu gerenciamento de ativos de TI

Rastrear e analisar as métricas corretas de gerenciamento de ativos de TI é fundamental para obter um resultado positivo e a administração tranquila dos mesmos em uma empresa. Mas no seu negócio, as análises estão de acordo com o seu objetivo?


Estar atento aos KPIs do ITAM corretos é fundamental para ver como sua estratégia de ITAM está realmente funcionando e fazer ajustes onde for necessário. Continue lendo e confira as cinco métricas essenciais que você deve começar a analisar no seu gerenciamento de ativos de TI.


Qual a importância dos KPIs do ITAM?

Os KPIs, chamados também de indicadores chave de desempenho, colaboram na verificação da estratégia de ITAM. Por meio deles, você consegue ter visibilidade, por exemplo, de como uma iniciativa está performando e se está atingindo os resultados esperados.


Trazendo para uma experiência prática, imagine que a empresa está no processo de instalação de uma nova ferramenta de automação de fluxo de trabalho. Neste caso, analisar as métricas seria importante para saber se os colaboradores realmente estão utilizando.

Além disso, elas colaboram para que as empresas e os gerentes tomem decisões futuras de maneira efetiva, baseadas em dados concretos sobre o gerenciamento dos ativos de TI. Por exemplo, ter o controle da utilização dos ativos colabora para compras mais assertivas e remanejo de equipamentos.


Em resumo, ao ter KPIs bem projetados, você tem a possibilidade garantir que as iniciativas de ITAM estejam alinhadas e trabalhando em direção aos objetivos da organização.


Como definir as métricas de gestão de ativos de TI?

O ponto crucial que deve ser considerado no momento de definir as métricas de gestão de ativos é o alinhamento das mesmas com o objetivo da empresa. Não adianta considerar métricas apenas por capricho ou naqueles dados que parecem render mais, é preciso olhar para aquelas que realmente vão fazer a diferença para alcançar o crescimento.


Sendo assim, o primeiro passo é elencar o que quer alcançar com a estratégia de ITAM. Uma das possibilidades nesta etapa inicial pode ser reduzir as despesas com ativos ou melhorar a oferta dos serviços de TI.


O próximo passo é entender quais KPIs serão relevantes para o seu objetivo. Por exemplo, se escolheu reduzir os custos, acompanhar a utilização dos ativos é uma estratégia.

Depois disso, é importante que os KPIs sejam compartilhados com as partes envolvidas e sejam explicados de forma clara e eficaz. É necessário a ajuda de toda a equipe para que a medição seja correta e possa gerar os resultados esperados.


Por último, depois de tudo organizado, é preciso lembrar que os KPIs devem ser frequentemente monitoradores e aplicados em estratégias.


5 principais métricas para acompanhar na gestão dos ativos de TI

Independentemente do tamanho ou ramo da empresa, essas 5 métricas são essenciais para analisar o cenário de ITAM e tomar decisões assertivas.


1. Ativos obsoletos

Os ativos obsoletos são todos aqueles que estão aguardando atualizações, isso inclui os softwares e os hardwares. Essa métrica não reflete somente na produtividade da equipe para manter tudo atualizado, mas também diz respeito do quanto a empresa está protegida em questão de segurança cibernética.


Com ela, você pode priorizar atualizações pendentes e monitorar as que estão acontecendo. Além de dar embasamento para a forma com que você lida com esse processo no geral.


Uma dica para ter uma visão ainda mais detalhada é dividir os ativos entre os que precisam de atualizações menores, principais e críticas e determinar quais são críticos e quais são menos importantes.


Outra medida interessante de acompanhar é o tempo médio de recebimento das atualizações para diferentes categorias de dispositivos. Por exemplo, há 20 computadores sem a atualização recente da nova interface, mas há três roteadores com a atualização de segurança crítica pendente. Ou seja, a segunda opção oferece muito mais risco.


No Invgate Insight é possível fazer isso por meio do recurso Status de Integridade, que permite a personalização de urgência do problema e ativação da notificação se não estiver funcionando como deveria.


2. Utilização dos ativos

O segundo ponto que exige clareza é quanto a utilização dos ativos de hardware e software. Ter a visão clara de tudo que realmente está sendo utilizado na empresa, permite maior eficácia do orçamento. Uma vez que, possibilita a melhor distribuição dos recursos e, consequentemente, a redução dos custos de TI.

Tanto os hardwares quanto os softwares, quando não utilizados, não geram nenhum valor agregado à organização e podem custar caro para a empresa manter.


Para alguns pode ser útil determinar a frequência e por quanto tempo foram usados. Desta forma, você consegue aproveitá-lo ao máximo.


No Invgate Insight há o sistema de marcação, que permite classificar e rastrear diferentes tipos de ativos. . Você pode criar marcas inteligentes automatizadas para incorporar novos ativos quando eles corresponderem às condições dessas tags. Para calcular a utilização de ativos, você pode facilmente marcar e identificar todos os ativos que não foram usados em 30 dias ou mais.


3. Gerenciamento do ciclo de vida

Outro monitoramento crucial é o ciclo de vida dos ativos. Entender em que estágio está cada um, ajuda a planejar investimentos futuros e verificar anomalias.


O Invgate Insight possibilita a configuração deste acompanhamento e a emissão de alertas quando os dispositivos estiverem no fim da vida útil. Também é possível comparar o desempenho deles com o informado pelo fabricante.


4. Retorno sobre o investimento – ROI

Convencer sobre a importância de uma ativo pode ser mais fácil quando se cálculo o retorno sobre o investimento. Além de ajudar também a destacar a importância de extrair ao máximo os ativos antes de fazer novos investimentos.


Mas vale ficar atento, pois essa métrica nem sempre reflete a eficácia de um ativo. Tendo em vista que, alguns dos mesmos, podem não contribuir diretamente para o retorno da receita. Junto com o ROI, você também pode acompanhar o Custo Total de Propriedade, a taxa de Depreciação de Ativos, etc.


5. Serviço e manutenção

Observar os KPIs de serviço e manutenção é outra forma de manter seus custos baixos, assegurando que a manutenção seja feita no prazo e sem imprevistos.


Para isso, você pode acompanhar a frequência com que diferentes ativos falham e quanto tempo leva para colocá-los de volta em serviço. Analise o Tempo Médio entre a Falha (MTBF) e o Tempo Principal de Reparo (MTTR). O primeiro calcula o tempo total de execução dividido pelo número de falhas, e o segundo, o tempo total de reparo dividido pelo número de reparos. As duas asseguram que o serviço e a manutenção estejam dentro dos padrões.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page